Painel do Associado

Cobramseg 2014: sucesso confirmado

quarta-feira, 24 de setembro de 2014 comentários

Com mais de 1.300 participantes, o Cobramseg 2014 superou todas as expectativas e agradou os presentes pela qualidade das palestras e apresentações. Maurício Sales, presidente da Comissão Organizadora, fala neste editorial sobre sua experiência no evento, suas percepções e os pontos altos desta edição do Cobramseg. Outro destaque do encontro, ocorrido de 9 a 13 de setembro, em Goiânia (GO), foi a realização simultânea do Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas (SBMR), cuja Comissão Organizadora foi presidida por Sérgio Fontoura, presidente do CBMR – Comitê Brasileiro de Mecânica das Rochas. Fontoura aborda o Simpósio na segunda parte deste Editorial. Leia mais. 

Maurício Sales, presidente da Comissão Organizadora do Cobramseg 2014

“Com o tema “Infraestrutura de um Futuro Sustentável”, o Cobramseg 2014 recebeu um total de 1.500 participantes, somados congressistas e profissionais que trabalharam na feira. Além dos palestrantes convidados. Comparado a um evento internacional, em que o número gira em torno de 1.800 participantes, nosso evento conquistou participação bastante expressiva.

Um diferencial foi a exploração da tecnologia. Disponibilizamos um aplicativo aos congressistas, pelo qual eles puderam acessar a programação do evento a partir de seus tablets e smartphones. Os trabalhos também estavam disponíveis para que os participantes pudessem ler com antecedência e planejar sua participação no Cobramseg, inclusive sabendo a localização dos expositores na feira e tendo acesso a uma grande gama de informações. Foi uma inovação muito bem aceita pelo público.

As palestras foram pontos altos do evento. Muito elogiadas pelos congressistas, essas apresentações lotaram os auditórios e despertaram muito interesse. O destaque foi a Victor de Mello Lecture, ministrada por James Mitchell, aplaudido em pé durante longos segundos após o término da palestra.

Ainda no plano da participação internacional, recebemos uma comitiva da Sociedade Internacional de Engenharia Geotécnica e Mecânica dos Solos (ISSMGE), incluindo o presidente, Roger Frank. A Sociedade promoveu reunião com todos os vice-presidentes do mundo inteiro. Foi o primeiro encontro deste tipo realizado no Brasil. Os vice-presidentes elogiaram bastante a maneira como a ABMS recebeu a delegação.Foto: Didier Pinheiro

O número de jovens também impressionou, na participação do evento inteiro, desde o primeiro dia até a sessão de encerramento. Temos felizmente uma nova geração de geotécnicos! Este é um grande objetivo da ABMS, o de aumentar o número de jovens associados. Fizemos uma promoção voltada para este público: todo jovem que fizesse a inscrição para o evento já se tornaria automaticamente associado ABMS. E eu sou a prova de que este tipo de promoção funciona. Associei-me à entidade em uma promoção desse tipo acontecida em 1986 e aqui estou até hoje.

Houve ainda o Congresso Luso-Brasileiro, que proporcionou uma troca de experiências muito interessante e uma mudança para o próximo evento, que acontecerá em Portugal: será realizado no mesmo formato do Luso-Brasileiro no Brasil, junto com o congresso nacional. Os portugueses não costumavam fazer isso e, desta vez, convenceram-se de que é um formato que funciona muito bem.

A feira de exposições também agradou muito. O espaço era adequado para este porte de feira e fizemos um esforço para que os congressistas permanecessem mais tempo ali. O almoço foi servido dentro da feira e tanto os congressistas quanto os expositores aprovaram o formato.

O professor Manuel de Matos Fernandes, que proferiu a Conferência Pacheco Silva, aproveitou a oportunidade e nos honrou com o lançamento de seu livro “Mecânica dos Solos: Introdução à Engenharia Geotécnica – Vol.2”. Na Pacheco Silva, Matos Fernandes abordou o tema “Grandes Escavações Urbanas: Novos desenvolvimentos para controle e previsão dos movimentos induzidos em solos moles”.

A parte social foi outro aspecto do Cobramseg que rendeu elogios à Organização. Coquetéis e jantares atraíram todo o público.

Presidir a Comissão Organizadora do Cobramseg 2014 foi uma oportunidade muito enriquecedora. Um trabalho intenso, muitas atividades, muita demanda, mas a recompensa veio em forma de agradecimentos, já que os participantes gostaram bastante. Foi um evento memorável! E 2016 será ainda melhor.
Trabalhamos o tempo todo alinhados com a Comissão de 2016, para que eles pudessem obter todas as informações e aprender com a nossa experiência. Muito obrigado a todos os participantes e a todos os associados que deram o melhor de si para fazer desse Cobramseg um evento de excepcional qualidade. Agradecemos também à Diretoria da ABMS pelo apoio permanente ao longo da realização do evento. Um abraço a todos e até 2016!

VI Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas

Pela primeira vez na história, o Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas (SBMR) recebeu o apoio da ISRM (International Society for Rock Mechanics) como uma conferência especializada. A Associação Americana de Mecânica das Rochas e a Associação Chinesa de Mecânica das Rochas também apoiaram o evento. Esse apoio resultou na presença de delegações destes países, o que enriqueceu imensamente as discussões. A internacionalização desta edição do SBMR foi uma novidade em relação às outras edições e, para Sérgio Fontoura, presidente da Comissão Organizadora do SBMR e presidente do CBMR – Comitê Brasileiro de Mecânica das Rochas, foi algo muito positivo. Abaixo, editorial de Fontoura sobre o evento.

O VI SBMR começou com dois minicursos – Estabilização de taludes em rochas e Computational Modelling for Rock Engineering in Mining – e um workshop sobre Geomechanics Challenges for Petroleum Engineering Problems.

No total, foram 92 trabalhos aceitos e 54 apresentados. Desta vez, não apenas trabalhos redigidos em português, mas também em inglês foram aceitos. Estes somaram 40% do total.Por se tratar de um evento oficial da ISRM, esses artigos podem ir pra base de dados da biblioteca online da Sociedade Internacional e passam a ter visibilidade no mundo inteiro.

Foram organizadas oito sessões paralelas, todas com tradução simultânea. Uma delas, direcionada especialmente ao público jovem. Outra atração para os jovens foi o RockBowl, uma competição de Mecânica das Rochas entre alunos das universidades.

Com o sucesso do evento, o SBMR passará, de agora em diante, a ser realizado a cada dois anos, e não mais de quatro em quatro anos, como acontecia. Conseguimos atrair grupos que não participavam muito ativamente, como os de mineração e de petróleo. Em 2016, nossa expectativa para o simpósio que irá ocorrer em Belo Horizonte é aumentar muito a participação destes dois grupos. Tivemos uma mesa redonda sobre aplicação de mecânica de rochas em mineração e colocamos duas seções paralelas dedicadas a esse tema. Recebemos muitos trabalhos sobre o assunto também. Foi uma resposta bastante positiva a essa abertura dada e foi muito bem aceito pelo o meio técnico.

Na feira, o SBMR também teve destaque, com a participação de três empresas estrangeiras. Notadamente algumas empresas se interessaram em patrocinar especificamente atividades de Mecânicas de Rochas, o que era raro em eventos anteriores.

O grande destaque do evento foi a presença de profissionais estrangeiros, que deram outra dimensão ao evento. As pessoas perceberam que nós conseguimos atrair a atenção do mundo também. O desafio agora é fazer com que o pesquisador brasileiro não hesite em escrever em inglês. No Brasil as pessoas ainda ficam um pouco inibidas em apresentar trabalhos técnicos em inglês, mas o jovem vai ter que se acostumar a fazer isso para internacionalizar seu trabalho.

Destaco ainda a força do grupo para o sucesso do evento. Houve uma aproximação muito boa entre a Comissão do Cobramseg e a Comissão do SBMR. Trabalhamos juntos, com muita parceria e sem nenhum problema. Contamos ainda com um grande número de voluntários jovens na comissão organizadora, o que nos enche de alegria, pois é preciso unir a experiência dos sêniores com a garra dos jovens.

Outro ponto fundamental foi a internacionalização. O Brasil tem um certo complexo de vira-lata, mas nós temos coisas muito boas, nossos profissionais são excelentes. Só precisamos divulgar isso através de um pacote de iniciativas, desde ações individuais, até ações da associação (ABMS) para que possamos internacionalizar os nossos eventos. Há demanda, há espaço e já demos o primeiro passo. Agora temos que avançar um pouco mais. Esse é o grande subproduto do evento: verificar que isso é necessário e, acima de tudo, possível. Contamos com todos os associados nesta empreitada!

Maurício Sales
Presidente da Comissão Organizadora do Cobramseg 2014

Sérgio Fontoura
Presidente da Comissão Organizadora do VI SBMR

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *