Painel do Associado

Com mais de 700 participantes, GeoRS bate recorde de público

sexta-feira, 29 de maio de 2015 comentários

geors2015_400x220Com 706 participantes e 50 trabalhos inscritos, o VIII Seminário de Engenharia Geotécnica do Rio Grande do Sul (GEORS’2015) não poderia ter surpreendido mais. Realizado nos dias 29 e 30 de abril pelo Núcleo Rio Grande do Sul da ABMS – com o apoio com a Universidade do Vale dos Sinos (UNISINOS), em São Leopoldo (RS) -, o evento superou as expectativas da sua Comissão Organizadora mais uma vez. “Apesar de o GEORS ser um evento que vem ganhando dimensão no decorrer das edições, acreditávamos que não bateríamos a marca de 600 participantes, que foi o recorde alcançado na última edição em Santa Maria (RS)”, comenta o professor Felipe Gobbi da UNISINOS, presidente geral do evento e ex-presidente do Núcleo RS da ABMS. “Foi uma marca que deixou toda a Comissão muito orgulhosa”.  (Na foto, público aguarda a apresentação do Quarteto de Cordas da Orquestra Unisinos durante cerimônia de abertura do GEORS’2015)

De acordo com o professor, o evento foi muito bem recebido pela comunidade técnica local. A participação massiva dos estudantes do interior do estado, no entanto, foi o que mais impressionou. “Para se ter uma ideia, 190 alunos de Passo Fundo vieram prestigiar o evento, além dos estudantes de cidades como Santa Maria, Rio Grande, Pelotas, Caxias, dentre muitas outras”, diz. “Recebemos ainda participantes de outros estados, como Rio de Janeiro”.

ABMS em peso

O GEORS’2015 também contou com a participação de membros da ABMS, como a do presidente nacional da Associação, André Assis. O presidente apresentou a palestra “Tendências e Desafios da Engenharia de Túneis” no dia 29 de abril. “Foi muito importante e incentivador contar com o apoio do presidente nacional da ABMS no nosso Seminário”, declara Gobbi. “Somos todos gratos a ele por ter prestigiado o evento de forma dedicada durante quase todo o dia, inclusive com essa brilhante palestra”.

Demais membros da ABMS também estiveram presentes no Seminário, como o atual presidente do Núcleo Rio Grande do Sul, Antônio Thomé; e o presidente do Comitê Brasileiro de Túneis da ABMS (CBT) e vice-presidente da ITA (Internacional Tunnelling and Underground Space Association), Tarcísio Barreto Celestino.

No primeiro dia do evento, o presidente do CBT, Tarcísio B. Celestino, apresentou a palestra “A celebração de 50 anos do NATM” na sessão técnica Escavações Subterrâneas, logo após a palestra de André Assis.

Já no segundo dia, o presidente do Núcleo Rio Grande do Sul, Antônio Thomé, apresentou os trabalhos “Biorremediação de Solo Contaminado com Biodiesel Utilizando Biomassa e Manoproteínas Obtidas Através da Levedura Saccharomyces Cerevisiae” e “Modelagem da Mobilidade de Nanopartículas de Ferro em um Solo Argiloso”, junto com os engenheiros Cleomar Reginatto, Iziquiel Cecchin, Guilherme Schmidt, Karla Heineck, Naiara E. Kreling, e Luciane M. Colla.

GeoBowl

comissaogeobowlUm dos destaques do evento foi a primeira realização do GeoBowl – um jogo de perguntas e respostas que testou os conhecimentos sobre geotecnia e mecânica dos solos de alunos de graduação de oito universidades. (Na foto, a Comissão Organizadora do Geobowl)

O jogo foi idealizado e organizado pela diretoria e por membros do grupo jovem do Comitê Brasileiro de Mecânica das Rochas (CBMR) da ABMS. “O GeoBowl foi inspirado no RockBowl, realizado no VI Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas – SBMR 2014”, conta a secretária-geral do CBMR, Vivian Marchesi. Vivian participou da comissão organizadora do jogo, juntamente com Carlos Emmanuel Lautenschläger, Carla Carrapatoso, Guilherme Righetto e Bruno Denardin.

A iniciativa de levar o Geobowl ao GEORS’2015 partiu do presidente geral do evento, Felipe Gobbi, que contou com o apoio do presidente do Núcleo RS, Antônio Thomé, do presidente do CBMR, Sergio Fontoura e do presidente da ABMS, André Assis.

“Para realizar o Geobowl, uma comissão técnica do jogo ficou responsável por formatar as questões, que então eram revistas pelo restante da comissão organizadora”, explica Vivian. As questões seriam feitas às equipes participantes, constituídas por quatro jogadores da mesma universidade – sendo um deles reserva.

A final da competição foi disputada entre os estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Os prêmios foram divididos da seguinte maneira: para a equipe vencedora, para a equipe em segundo lugar e para melhor jogador da competição.

A equipe vencedora foi a GeoForceOne, da UFRGS. “Cada integrante da equipe ganhou duas anuidades da ABMS, enquanto os alunos da equipe que ficou em segundo lugar ganharam uma anuidade”, conta Vivian Marchesi. “O prêmio de melhor jogador, no entanto, foi dado a um aluno da UFSM, que ganhou um tablet por ter acertado o maior número de perguntas do jogo. Todos saíram ganhando, afinal”.

Os jogadores da equipe GeoForceOne (UFGRS), campeã do Geobowl, foram: Marco Antônio Grigoletto Conte, Alex Nowak La Flor, Maurício Birkan Azevedo, Vinícius Eich D’Ávila e o professor tutor, Lucas Festugato. Já o melhor jogador da competição foi o estudante Silvio Lisboa Schuster, da equipe GEPPASV (UFSM).

Para Vivian, o objetivo principal do Geobowl no GEORS’2015 foi incentivar os alunos de graduação a se envolverem diretamente com a área da mecânica dos solos. “A resposta foi muito positiva. Alguns alunos participantes do Seminário se interessaram tanto pela competição que prometeram levar a ideia às suas universidades”, diz. “É esse o objetivo: motivar os estudantes a enxergar o valor da área da geotecnia e da mecânica dos solos e a importância de se fazer parte de associações técnicas como a ABMS”.

Mais novidades

O GEORS’2015 trouxe ainda mais novidades aos participantes. “Na edição de 2015, recebemos dois palestrantes internacionais, o que é muito interessante para um evento regional”, conta Felipe Gobbi. Foram eles: o engenheiro Antônio Roque, do Laboratório Nacional de Engenharia Civil de Portugal, com a palestra “Agregados Reciclados de Escórias de Aciaria: Recurso ou problema”; e o engenheiro Christian Wolinski, da empresa Geobrugg AG, com a palestra “Flexible System for Slopes Protection and Stabilization, Suisse Experience”.

Nesta edição, as empresas patrocinadoras do GEORS’2015 também tiveram a oportunidade de palestrar para o público do Seminário. “Cada seção técnica continha uma palestra de um professor ou consultor convidado e uma palestra de um patrocinador de cota ouro”, explica Gobbi. “As palestras dos patrocinadores eram claramente identificadas como palestras pagas, mas tiveram espaço direto nas seções técnicas. Funcionou muito bem”.

Planos

A próxima edição do GEORS será realizada na Universidade de Caxias do Sul, em 2017. Para a próxima edição, a expectativa é atingir o mesmo objetivo que em 2015 foi superado: o de estimular os jovens estudantes de engenharia civil a participarem e seguirem a área da engenharia geotécnica. “A comissão organizadora ficou muito orgulhosa e agradecida pelo aproveitamento do evento por parte dos alunos e demais profissionais presentes. Para a edição em Caxias do Sul, teremos um árduo e prazeroso trabalho pela frente”, conclui o professor Felipe Gobbi.

Patrocinadores

O GEORS’2015 foi patrocinado pelas empresas Geobrugg, ArcelorMittal, Incotep Sistemas de Ancoragem, Sistemas Dywidag, Azambuja Engenharia e Geotecnia, Aco, FGS Geotecnia, MLF Geotecnia, Huesker, Estacas Brasil, Estaq Sondagens e Fundações, Maccaferri, GeoSoluções, CPR – Consolidação Profunda Radial e GeoTechne.

confiraaqui-GEORS2015

 

 

 


Comentários


Com mais de 700 participantes, GeoRS bate recorde de público

  1. Ana Cristina Sieira disse:

    Parabéns pelo sucesso do evento!
    Um exemplo a ser seguido pelos demais núcleos regionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *