Deslizamentos na Bahia preocupam a comunidade técnica

segunda-feira, 25 de maio de 2015 comentários

Fortes chuvas vêm castigando a capital da Bahia, Salvador, desde o mês de abril de 2015. De acordo com informações da Defesa Civil de Salvador (Codesal), de 25 de abril e 24 de maio de 2015, foram registradas 21 mortes em decorrência das chuvas intensas na região. (Foto de deslizamento próximo ao Elevador Lacerda (BA) – acervo pessoal Luis E. Campos.)

No mesmo período, a Codesal recebeu mais de 8 mil solicitações de emergência. O maior número de chamados foi relacionado a deslizamentos de terra, com 3.012 chamados, seguido de ameaça de desabamento de imóvel com 1.928 solicitações e ameaça de deslizamentos de terra com 1.159 chamados. Através do setor social, o órgão cadastrou ainda 2.408 famílias que estão desalojadas ou desabrigadas e entregou 184.762 mil metros quadrados de lonas, que beneficiou pelo menos, 1.401 famílias.

O cenário preocupa a população, as autoridades e a comunidade técnica regional e nacional. O ex-presidente do Núcleo Bahia da ABMS, professor Luís Edmundo Prado de Campos, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), concedeu entrevistas à imprensa abordando algumas soluções da engenharia para a contenção de encostas, além de acompanhar e comentar algumas áreas em risco de desabamento.

deslizamentos-bahia-luisao2Para o professor, o crescimento desordenado da população e a demora na realização de obras nas encostas em risco são os fatores que mais dificultam a resolução desses problemas. “O poder público contratou um Plano Diretor de Encostas de Salvador, lançado em 2004, em que foram identificadas 433 áreas de risco”, diz Edmundo. “Só agora estão implantando obras em algumas das áreas identificadas neste PDE, estando em execução de 98 obras pelo governo do Estado e 20 pela Prefeitura Municipal de Salvador”.

“Com as chuvas, Salvador está solicitando recursos para mais 54 obras em áreas de risco e para construir duas mil moradias. Ainda assim, as obras estão demorando por causa da falta de fôlego financeiro para os projetos no estado”, explica o ex-presidente. “A comunidade técnica vem desenvolvendo os projetos, porém há poucos profissionais para atender essa grande demanda”.

“Por aqui, venho trabalhado também em nome da ABMS. Tenho solicitado o apoio dos associados que se colocaram à disposição para ajudar”, declara. “Já ajudamos a Defesa Civil em algumas situações recentemente, como na ruptura induzida de um talude que ameaçava desabar em uma avenida no bairro Plataforma, em Salvador. No momento, estamos todos verificando junto à Prefeitura qual a melhor forma de atuação”.

Veja algumas das entrevistas concedidas por Luís Edmundo Campos à imprensa regional:

Especialista fala sobre causas dos deslizamentos e explica os tipos de encostas – Jornal da Manhã, 30/04/2015

Reportagem visita áreas de encostas; saiba mais sobre os riscos de deslizamentos – Bahia Meio Dia, 21/05/2015

Engenheiro fala sobre a grave situação das encostas deSalvador – TV Record, 21/05/2014

Chove 82% da média mensal em sete horas na capital baiana – A Tarde, 28/04/2015

902 deslizamentos de terra em 12 dias em Salvador –  Tribuna da Bahia, 13/05/2015

Mansões em Salvador estão à beira da encosta e moradores se preocupam – Tribuna da Bahia, 22/05/2015

 

(Com informações da Assessoria de Comunicação da Defesa Civil de Salvador – Codesal)

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *