Painel do Associado

Especialista em barragens, Guy Bourdeaux falece aos 82 anos

quarta-feira, 04 de novembro de 2020 comentários

É com pesar que a ABMS comunica o falecimento do engenheiro Guy Bourdeaux, aos 82 anos, que ocorreu no dia 30/10. O engenheiro foi presidente do Núcleo Regional São Paulo da ABMS entre 1978 e 1980. Nos últimos anos, atuava como consultor na área de barragens, participando de diversos projetos no Brasil e exterior.

Nascido na Bélgica, Guy Henry René Marie Bourdeaux escolheu o Brasil como casa. Já formado em engenharia civil pela Université Catholique de Louvain (1962) na Bélgica, Guy vivenciou e contribuiu com o avanço da engenharia de barragens no Brasil ao longo das décadas.

Recém chegado da Bélgica, o engenheiro foi encaminhado pelo professor Milton Vargas ao Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), onde atuou na área geotécnica em hidrelétricas da Cia Energética de São Paulo (CESP), em Chavantes.

Já na empresa Hidroservice, na cidade de São Paulo, o engenheiro trabalhou por muitos anos como projetista em grandes projetos de barragens, como os da Cia. Energética de São Paulo – CESP (nos rios Paraibuna, Paraitinga e Jaguari), em Furnas (Porto Colômbia e Itumbiara) e na Companhia Hidrelétrica do São Francisco – CHESF- (Sobradinho e limites da cidade de Itaparica).

Foi durante esse período que Guy Bourdeaux e Luis Valenzuela, dois grandes nomes da engenharia de barragens, se conheceram. Na época, Guy era chefe de Valenzuela, recém chegado do Chile e ainda sem muito conhecimento prático na área. 

“Os detalhes práticos do projeto e construção de barragens me foi ensinado por um grupo de excelência que incluía Guy, com seus comentários e revisões essencialmente de senso comum e aparentemente simples, mas que os anos me demostraram valor”, expressa Valenzuela. “Sempre tive, e tenho até agora, um grande reconhecimento e gratidão por este mestre das barragens de terra.”

Homenagens

Desde sua chegada, Guy fez muitos amigos pelo caminho, que compartilharam memórias do colega com grande admiração. O ex-presidente da ABMS, Arsenio Negro Junior, lembra de seu entusiasmo pela vida. “Tive oportunidade de conviver socialmente diversas vezes com Guy. Uma grande figura apaixonada pela vida, que gostava de bem viver, uma ótima companhia.”

No campo profissional, o especialista deixa grandes admiradores de seu trabalho e da sua dedicação. Convidado pelo engenheiro para participar da diretoria no Núcleo São Paulo, Luiz Morita se recorda do seu sotaque e de seus ensinamentos, “Guy era muito didático, apaixonado pela engenharia de barragens. Ele explicava cada ponto de uma maneira intensa e interessante.”

O engenheiro Luiz Guilherme de Mello também teve a oportunidade de trabalhar ao lado de Guy Bourdeaux. Para Mello, a participação marcante de Bourdeaux em praticamente todas as obras importantes de barragens em construção ou operação no Brasil e na América Latina deve ser enfatizada. “Muitas histórias interessantes são lembradas, incluindo a importante contribuição do Guy numa junta de geoconsultores montada pela Construtora OAS para apoiar as discussões de projeto e de obra na UHE Estreito”, comenta o engenheiro.

A junta contava com a participação de Georg Sadowski, Carlos Nieble, de Mello e de Guy Bourdeaux. “Nas discussões da aceitabilidade dos arenitos brandos como fundação das estruturas de concreto, fomos informados que uma van tinha atolado no material em cota compatível com o projeto”, conta Mello. “Guy, com seu característico bom humor, colocou: ‘esqueceram de combinar com o maciço'”.

Os amigos e companheiros de profissão Manoel Freitas, Issamo Komesu, Paulo Cruz e Francisco Andriolo também deixaram sua homenagem a Guy. Com elogios ao seu profissionalismo e capacidade técnica, os engenheiros contaram em carta detalhes da carreira do consultor de barragens.

“Desprovido de vaidades, possuía uma excelente base conceitual técnica, necessária aos projetistas, e espetacular praticidade, pragmatismo e objetividade, muito útil aos construtores”, escreve Andriolo. “Uma de suas importantes características no trabalho era passar confiança e responsabilidade aos engenheiros que trabalharam com ele”, diz Freitas.

A ABMS lamenta a perda deste grande profissional e presta sua solidariedade aos amigos e à família.


Comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *