Painel do Associado

Eventos e projetos fazem parte dos planos

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013 comentários

sergiofontouraMuito trabalho e apoio a grandes eventos estão nos planos da gestão do Comitê Brasileiro de Mecânica das Rochas da ABMS. Já para o segundo semestre de 2013, o CBMR vai apoiar a realização do Congresso Brasileiro de Encostas (COBRAE 2013), em Angra dos Reis, em parceria com o Núcleo Regional Rio de Janeiro. Em 2014, o Comitê estará presente na organização do Simpósio Brasileiro de Mecânica das Rochas que será realizado juntamente com o Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (Cobramseg 2014), em Goiânia (GO). “A diretoria vai concentrar muitos esforços na realização desses eventos”, afirma o presidente reeleito Sérgio Fontoura (foto à esquerda), professor do curso de Engenharia Civil com ênfase em Mecânica das Rochas da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Outro ponto destacado pelo presidente é a preparação do Comitê em candidatar o Brasil a sediar o Congresso Internacional de Mecânica das Rochas, realizado pela ISRM (International Society for Rock Mechanic), que acontecerá em 2019. “Segundo o regimento da ISRM, as candidaturas devem ser lançadas seis anos antes do evento”, conta o presidente. A decisão será apresentada em 2014. Além disso, o CBMR está apoiando a candidata brasileira a presidente da ISRM, Dra. Eda Freitas de Quadros.

Melhorias

 

Segundo Fontoura, um dos objetivos internos do CBMR é duplicar o número de associados – que hoje é contabilizado em 170 membros – e dar início à formação de comissões técnicas dentro do Comitê que participem das comissões existentes da ISRM.

Além disso, o CBMR pretende iniciar uma campanha liderada pela secretária executiva do Comitê, Vivian Marchesi, para aproximar mais os jovens geotécnicos. Vivian Marchesi foi indicada para integrar o Conselho Jovem da ISRM. “Essa é mais uma atividade que terá nossos esforços concentrados”, conta Fontoura. “Vamos tentar inserir o associado jovem às atividades do Comitê e começar um trabalho efetivo de renovação”.

No entanto, para o presidente, essas mudanças deverão acontecer aos poucos e continuamente. “Precisávamos fazer mais parcerias com grupos já existentes, como o CBT (Comitê Brasileiro de Túneis), os Núcleos da ABMS e a ISRM, e isso nós conseguimos. É com esforço contínuo, com atitudes que às vezes não se destacam no dia a dia, que alcançamos nossos objetivos”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *