Painel do Associado

Juntas para disseminar conhecimento

quarta-feira, 10 de agosto de 2011 comentários

A ABMS e a Associação Brasileira de Geossintéticos (IGS Brasil) estão fortemente ligadas pelas áreas de atuação das duas entidades: a engenharia geotécnica e os geossintéticos. “Cada vez mais, a geotecnia utiliza os geossintéticos para reforço, separação, drenagem e outras coisas”, afirma Maurício Ehrlich (foto à direita), ex-presidente da IGS e ex-presidente do Núcleo Rio de Janeiro da ABMS. Para o atual presidente da IGS, Lavoisier Machado (foto à esquerda), “a sinergia entra a ABMS e a IGS é imprescindível, uma vez que as duas entidades precisam se apoiar para divulgar informações técnicas”. Contribui para isso o fato de que Machado é também associado e colaborador da ABMS. Opinião semelhante tem o presidente da ABMS, Arsenio Negro. “Os geossintéticos fazem parte da geotecnia. É essencial,portanto, que ABMS e IGS trabalhem de maneira conjunta”.

A parceria entre as duas entidades se fortaleceu com a organização do congresso internacional de geossintéticos, que aconteceu em 2010, na cidade do Guarujá, litoral paulista. Machado e Ehrlich concordam que a grande missão desta dobradinha é disseminar o conhecimento, divulgar revistas técnicas, promover eventos e discussões, para trocar experiências e levar o conhecimento técnico a todos os interessados.

“ABMS e IGS são entidades complementares”, conclui Ehrlich. “Para aumentar ainda mais a sinergia entre as associações, estou em contato constante com o Arsenio Negro, presidente da ABMS”.

O Brasil está num momento de crescimento no setor de infraestrutura. Com o aumento da demanda e as restrições ambientais impostas, fica cada vez mais difícil o uso de materiais naturais. E é neste contexto que os geossintéticos se destacam. Esses materiais sintéticos de origem petroquímica ganham cada vez mais espaço na engenharia civil. “O material geossintético está disponível em qualquer especificação, para funções nas quais antigamente se aplicava material natural”, explica Ehrlich. “E esses materiais estão em constante aprimoramento, inclusive na utilização. Os geossintéticos estão sendo aplicados em muito mais áreas do que eram antes”.

Com a expansão dos geossintéticos, Ehrlich acredita que, em pouco tempo, todo profissional de geotecnia deverá ter conhecimento dos geossintéticos. “Isso reforça a importância da ligação entra a ABMS e a IGS”, lembra o ex-presidente do Núcleo Rio da ABMS.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *