Painel do Associado

Manchada pela corrupção, a engenharia brasileira precisa renovar-se, buscar a excelência e contribuir para a transformação da sociedade, propõe André Assis

terça-feira, 20 de dezembro de 2016 comentários

andreassis-internaNo último editorial do ano, André Assis, presidente da ABMS, propõe uma reflexão a toda a comunidade geotécnica. Ao encerrar sua gestão, depois de quatro anos à frente da entidade, Assis deixa uma mensagem de esperança e de responsabilidade. “Precisamos todos articular um amplo movimento para a renovação da engenharia brasileira”, propõe. “Precisamos de uma engenharia de excelência, que possa contribuir para a transformação da sociedade, que seja capaz de agregar riquezas, produzir bem-estar, elevar a qualidade de vida das pessoas. E não é isso o que vemos hoje”. Leia a íntegra do editorial.

Final de ano sempre traz reflexões que nos levam a ter novas esperanças. Isso é algo comum e necessário à vida de todos nós. Mas para que não se perca, a esperança deve vir acompanhada de ações, que transformem a intenção em gesto, o sonho em prática efetiva.

Neste momento, é fundamental refletir sobre o que está acontecendo com a engenharia brasileira. É imprescindível constatar que o que acontece hoje nesse segmento econômico está muito distante do sonho dos engenheiros. A engenharia está muito mais presente nas páginas policiais do que nas páginas de economia e construção, de onde ela nunca deveria ter saído. Tudo isso é uma grande decepção para a imensa maioria dos engenheiros de nosso país.

Amamos nossa profissão e sonhamos desde sempre em fazer com que a engenharia fosse um agente eficaz de transformação da sociedade, capaz de agregar riquezas, produzir bem-estar, contribuir para a qualidade de vida das pessoas. E não é isso o que vemos hoje.

A engenharia brasileira viveu seu esplendor entre as décadas de 1970 e 1980. Éramos um exemplo para o mundo, exportando projetos, tecnologia, avanços técnicos etc. Esse passado glorioso até hoje contamina positivamente toda a classe de engenheiros autênticos.

Num determinado momento, no entanto, uma parte da engenharia desvirtuou-se, passando a trilhar um caminho que nos conduziu ao que assistimos hoje: a engenharia manchada pela corrupção.

E a corrupção levou – está levando – à desvalorização de pontos fundamentais, como o projeto e a competitividade. O projeto é cada vez menos valorizado porque ele é o registro da base de qualidade ou de desempenho da obra. E se não há registro, é muito mais fácil criar mecanismos de sobre preços ou de desvios dos padrões de qualidade necessários e desejados.

A competição, por sua vez, leva à busca por novas soluções, novas tecnologias. E num cenário corrupto isso não é necessário, uma vez que a contratação não acontecerá pela qualidade, mas por quem irá receber vantagens indevidas. Ignorar planejamento, enfraquecer projetos e eliminar competividade é condenar a engenharia a papel secundário, é decretar sua morte.

O momento agora é de renovação, de mudança. Temos hoje a oportunidade de renovar e buscar novos caminhos para a nossa engenharia. Mas para isso é necessário agregar atitudes em toda a comunidade de engenharia do Brasil para que voltemos a viver dias de glória, dias em que a engenharia venha a refletir de fato o que acreditamos.

A ABMS

Neste final de gestão, muito mais importante do que falar o que foi feito, é falar do orgulho de ver uma ABMS forte diante de toda a sociedade geotécnica, mesmo depois desses anos de crise. Hoje os associados ABMS valorizam a associação e a prova disso foi o Cobramseg 2016, um congresso que mostrou a força da comunidade e a importância da entidade. Tudo isso, claro, foi conquistado graças ao apoio de toda comunidade, profissionais e empresas.

A ABMS também tem um papel fundamental nesta renovação da engenharia. Agora, o papel da ABMS é ir além de seus muros e chegar à sociedade. A entidade precisa se preocupar em produzir documentos que balizem uma engenharia de melhor qualidade. Isso passa pelas Comissões Técnicas, que são os pilares do conhecimento da associação. Temos de produzir diretrizes, recomendações, padrões de qualidade para a engenharia. Documentos que contenham recomendações técnicas, recomendações de procedimento, de forma de trabalho, forma de contratação etc.

Este tipo de material chega à sociedade como uma grande referência. Não é uma norma, mas uma referência para que o profissional, ao ser questionado, tenha embasamento para defender este ou aquele método, por exemplo. Isso ajuda a agregar padrões de qualidade que a sociedade tanto demanda de nossa engenharia e que já é tão comum em outros países.

E este tipo de padronização de qualidade fortalece o profissional, a empresa, a ABMS e a engenharia como um todo, pois a partir do momento em que a associação se torna forte, dita regras, ela gera conhecimento, se torna referência de qualidade, facilitando a venda de serviços, produtos e tecnologia.

Acredito que se cada um de nós fizer uma reflexão e pensar em quais atitudes podemos tomar para renovar nossa engenharia, em breve teremos novamente aquilo que todos nós, amantes da engenharia, desejamos: uma engenharia de qualidade que seja um agente transformador da sociedade.

Que 2017 seja melhor! Que cada um de nós passa fazer o seu papel para uma engenharia ética e de qualidade!

Agradeço ao Conselho da ABMS por todo o apoio e aconselhamento recebido. Agradeço também aos meus bravos amigos e companheiros de Diretoria, que estiveram sempre ao meu lado com propostas, soluções e trabalho. Desejo ao amigo Alessander Kormann feliz gestão à frente da ABMS, assim como desejo o mesmo para todos os diretores que compõem a nova Diretoria.

Obrigado a todos e orgulho de ter vos servido como vosso presidente!

André Assis
Presidente da ABMS


Comentários


Manchada pela corrupção, a engenharia brasileira precisa renovar-se, buscar a excelência e contribuir para a transformação da sociedade, propõe André Assis

  1. Ivan Libanio Vianna disse:

    Parabéns, Presidente André, pela texto corajoso e incentivador de sua mensagem no ultimo editorial de sua gestão. Nós, associados da ABMS, é que agradecemos ter tido a sua pessoa como dirigente de nossa entidade nesta fase dificil que vive a engenharia nacional. Votos de continuo sucesso em sua vida profissional, abraços!

  2. Obrigado André.
    Espero que outras lideranças venham a se manifestar em defesa da ética e de melhorias nos projetos.
    O projeto de lei que altera a Lei de Licitação 8.666 continua falho nas exigências do nível de projeto antes dos leilões/licitações e não permite ambiente de autonomia às projetistas, mantidas dependentes e subordinadas às empreiteiras.

  3. Arsenio Negro disse:

    Parabéns pela realista mensagem André!
    Tenho certeza que estamos virando uma página triste e vergonhosa da nossa Engenharia. Tempos novos virão e com sabedoria resgataremos o prestígio da Profissão .
    Como Conselheiro e Associado agradeço sua dedicação e condução na ABMS.
    Boas Festas e Ano Novo Melhor a você e a todos nós!

  4. RICARDO WAGNER REIS DUARTE disse:

    Aristóteles disse: “Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Por isso, a excelência não é um ato, mas sim um hábito.” Por isso, proponho “OS NOVE HÁBITOS DOS ENGENHEIROS DE FUNDAÇÕES ALTAMENTE EFICAZES”. Para receber grátis o arquivo dos nove hábitos, escreva para: rwrduarte@gmail.com (Assunto: 9 Hábitos). Meus parabéns ao presidente doutor André Assis pela excelente liderança. Feliz Natal e 2017 para todos os associados (e familiares) da ABMS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *