Painel do Associado

“O GeoNORTE 2019 reacendeu a produção técnico-científica na região”, afirma presidente do Núcleo Norte da ABMS

quinta-feira, 05 de dezembro de 2019 comentários

A primeira edição do Simpósio de Geotecnia no Extremo Norte do Brasil foi um sucesso e contou com cerca de 100 participantes. Com o tema “Boas Práticas e Tecnologias” e a participação de especialistas regionais e nacionais, os principais assuntos abordados mostraram as novas tecnologias e técnicas da área para a comunidade da região. Realizado entre os dias 21 e 23 de novembro, o maior evento de geotecnia do Norte do Brasil aconteceu na Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), em Macapá (AP).

O seminário contou com um público de acadêmicos e profissionais da área. O evento atraiu até mesmo participantes de outros estados. “Isso demonstra que a proposta do GeoNORTE foi ao encontro dos interesses do público”, afirma o presidente do Núcleo Norte da ABMS, Adriano Frutuoso.

A diversidade de temas possibilitou a discussão de assuntos referentes às necessidades da região. Fundações, Ensaios de Campo, Barragens, Pavimentação e Contenções foram as temáticas abordadas. Cada uma contou com palestrantes experientes, como os professores Júlio Augusto de Alencar Júnior, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e Joel Carlos Moizinho, da Universidade Federal de Roraima (UFRR), além do engenheiro civil Tiago de Jesus Souza, da Solotechnique, e do engenheiro sanitarista Pedro Marcondes, da Huesker.

Sucesso na região Norte

Para o presidente do Núcleo Norte da ABMS, “há muitos anos não havia um evento de geotecnia na região. O GeoNORTE 2019 veio para reacender a produção técnico-científica no Norte do país”.

De acordo com o presidente da Comissão Organizadora do GeoNORTE 2019, Luis Henrique Rambo, professor da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), o evento foi um sucesso e superou as expectativas. “As boas práticas e tecnologias foram totalmente pertinentes para uma boa receptividade dos profissionais da área”, declara.

Palestras

No primeiro dia de evento, a palestra de abertura foi proferida pelo presidente da ABMS, Alexandre Gusmão. Com o tema “Patologia e Reforço de Fundações”, Gusmão apresentou vários casos de patologias e obras. “Foi uma excelente palestra e deixou grande contribuição para o público da região”, declara Frutuoso.

Na sequência das apresentações, o engenheiro Urbano Alonso abordou “Projeto, dimensionamento e execução de Fundações Rasas e Profundas: Recomendações e Boas Práticas”. Alonso, que já tem diversos livros publicados sobre o assunto, esclareceu o reconhecimento atribuído a ele no Brasil e no exterior, devido aos estudos e experiência na área de Fundações.

O engenheiro Júlio de Alencar Júnior, professor da Universidade Federal do Pará (UFPA), deu início às apresentações no segundo dia. Alencar falou sobre a “Segurança de Barragem: Aspectos Normativos e de Monitoramento”, tema de grande relevância para engenharia de barragens, segundo Frutuoso. Outro assunto discutido e importante para a região norte foi a “Patologia dos Pavimentos”, desenvolvido pelo professor da Universidade Federal de Roraima, Joel Carlos Moizinho. O tema ganhou destaque principalmente pelos problemas apresentados nos pavimentos da região Norte.

Para palestrar sobre a “Geofísica Aplicada a Geotecnia”, a comissão organizadora escolheu o engenheiro Tiago de Jesus Souza, que explicou sobre o uso dessa ferramenta na área de fundações. Já o engenheiro Pedro Henrique Marcondes falou sobre o “Sistema de Contenção Quadratum”.

Para encerrar as palestras do evento, o professor e projetista Urbano Alonso falou sobre a “NBR 6122/2019 x 6122/2010 – Alterações e Impactos na Engenharia de Fundações”.

Minicursos

Os minicursos aconteceram entre os dias 21 e 22 de novembro. Os temas abordados foram Dimensionamento de Pavimentos, ministrado pelo engenheiro Joel Carlos Moizinho, Prova de Carga Dinâmica, que ficou a cargo do engenheiro Tiago de Jesus Souza, e Projeto e Dimensionamento de Barragens, que teve como professor Adriano Frutuoso da Silva. “O destaque dos minicursos foi a intensa interação do público”, lembra o presidente do Núcleo NO.

Biênio do Núcleo Norte

Em 2019, o Núcleo Norte realizou oito eventos, sendo sete sobre segurança de barragens, um em cada capital da região. Por último, o Simpósio de Geotecnia no Extremo Norte do Brasil, em Macapá.

Adriano Frutuoso, presidente do Núcleo, destaca que, por meio da realizações de eventos, a proposta da atual Diretoria é atingir as áreas mais distantes afastadas das capitais, levar o conhecimento técnico e atrair novos associados. “A demanda por soluções geotécnicas nesses estados é muito grande, conclui.

A Comissão Organizadora agradece o apoio e a confiança da ABMS Nacional, dos patrocinadores e os parceiros. Além dos participantes do evento, que acreditaram na proposta, fazendo com que o GeoNORTE 2019 ficasse marcado na história do estado do Amapá. “Temos expectativa de que a geotecnia regional pode ser mais bem aproveitada e valorizada”, ressalta Luis Henrique Rambo.

 

Confira mais fotos na galeria: GeoNORTE 2019.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *