Painel do Associado

União entre ABMS e IGS é fundamental para a disseminação dos geossintéticos

sexta-feira, 19 de abril de 2013 comentários

Os geossintéticos são materiais aplicáveis a praticamente todas as obras geotécnicas. Reforço, drenagem, filtro e impermeabilização são apenas alguns exemplos da utilização desses materiais no dia-a-dia de um engenheiro geotécnico. Por isso a integração entre uma associação de engenharia geotécnica e outra, de geossintéticos, é de extrema importância para a comunidade técnica brasileira. ABMS e IGS Brasil devem se unir ainda mais para que o potencial e os benefícios dos geossintéticos sejam cada vez mais conhecidos.

O Prof. Ennio Marques Palmeira, da UnB,  é um exemplo vivo da integração entre os dois temas e as duas associações. Ennio, um dos maiores especialistas em geossintéticos do Brasil, é associado à ABMS e ex-editor da Soils and Rocks, importante revista da comunidade geotécnica editada pela ABMS em parceria com a SPG (Sociedade Portuguesa de Geotecnia). Além disso, é ex-presidente da IGS Brasil e recebeu o título de Honorary Member da IGS, a maior premiação concedida pela entidade. Para Palmeira, o interesse comum entre as duas entidades é tão explícito que, assim como ele, muitos associados à IGS são também associados à ABMS .

A intensificação da atuação conjunta entre ABMS e IGS pode render frutos preciosos para ambas as entidades e, principalmente, para a comunidade técnica brasileira. Ennio Palmeira destaca que muitas empresas do setor ainda não conhecem todo o potencial dos geossintéticos. Para que este cenário comece a mudar, o especialista afirma que é necessário colocar as empresas em contato com os fabricantes de geossintéticos e com a academia. “Cursos realizados em conjunto pela ABMS e pela IGS, mais voltados para os profissionais da prática da engenharia, podem ser uma ótima iniciativa neste sentido”, destaca. “A parceria entre as entidades facilita a realização dos eventos e atrai um público muito mais amplo”.

Além de cursos, Palmeira sugere a realização de mesas-redondas e workshops, além daqueles já realizados durante eventos das entidades, que abordem temas importantes, soluções de engenharia que envolvam os geossintéticos, projetos e aspectos que devem ser considerados na aplicação destes materiais.

Fonte: Matéria publicada no Boletim IGS Brasil nr 18/2013


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *